Conforto a bordo do avião

Viajar de avião nem sempre é agradável e confortável e, para a maioria das pessoas, acaba por ser apenas um mal necessário. Baseado na minha experiência pessoal e em recomendações médicas especializadas, ficam algumas sugestões para ajudar a minimizar esse desconforto.

Vestuário e calçado
Para viajar de avião, o ideal é vestir roupas leves e largas que tapem os braços e as pernas (o ar-condicionado vai quase sempre bem frio) e calçar sapatos folgados ou sapatilhas. Em voos de longo curso, tirar os sapatos vai aumentar muito o nível de conforto.

Alimentação e bebidas
Fazer refeições leves e saudáveis antes de viajar reduz o risco de alguma coisa nos “cair mal” e passarmos uma viagem desconfortável. Antes e durante o voo, beber água com frequência e tentar evitar bebidas gasosas e, principalmente, álcool. Algumas companhias distribuem garrafas de água pelos passageiros nos voos de longo curso. Aceitem sempre.

Medicamentos e artigos de higiene e bem-estar
Não esquecer de levar os medicamentos habituais que precisam tomar na bagagem de mão. Se forem muitos ou “pouco usuais” pode ser uma boa ideia pedir uma declaração ao médico, para aliviar qualquer mal-entendido nos controlos de embarque e desembarque. Escova e pasta de dentes são normalmente fornecidos em voos de longo curso nocturnos mas, na dúvida, pode-se levar desde que a embalagem de pasta seja de, no máximo, 100 ml. O ar seco dentro do avião seca muito os olhos e o líquido das lentes de contacto também pode ser um problema por causa da capacidade dos frascos. Nas farmácias, já existem kits especiais de viagem, com frascos pequenos. Também pode não ser má ideia levar um creme hidratante. Mais uma vez, atenção ao limite de 100 ml. Quanto menos coisas deste tipo se levar, menos dificuldades se vão colocar e mais tranquilo vai ser o embarque.

Síndroma da Classe Económica
Erradamente assim conhecida, é uma doença causada pela formação de coágulos no interior das veias que pode ocorrer durante ou após os voos e, no limite, levar a uma trombose venosa profunda. Dentro dos aviões o ar contém menos oxigénio do que o normal sendo por isso mais seco, o que contribui para que o sangue fique mais espesso. O reduzido espaço nos aviões (daí o nome de Síndroma de Classe Económica), a falta de mobilidade dos passageiros e a duração do voo são factores que agravam as hipóteses de risco. Idosos, obesos, fumadores, hipertensos, doentes cardíacos e grávidas estão incluídos no grupo de maior risco, mas qualquer passageiro pode ser vítima das viagens de longo curso. Assim, nesse tipo de viagens recomenda-se a adopção das seguintes medidas preventivas:
> Usar roupas largas e confortáveis.
> Considerar a utilização de meias elásticas especiais para viagens aéreas
> Beber água, chá ou sumos de fruta com frequência. As bebidas alcoólicas provocam a dilatação dos vasos sanguíneos e representam um factor de risco extra.
> Evitar cruzar as pernas quando se está sentado.
> Levantar-se com alguma frequência. Se possível, andar um pouco nos corredores do avião e fazer alguns exercícios simples de movimentação do pescoço, ombros, braços, pernas e tornozelos.

Escolha do assento no avião
Eu faço sempre questão de escolher o lugar com antecedência, particularmente em voos longos. Prefiro lugares de corredor (para ser mais fácil levantar sem incomodar os outros), o mais à frente possível (sente-se menos a turbulência e o ruído dos motores), a partir da segunda fila (a primeira fila muitas vezes tem pouco espaço para as pernas). Muitas companhias aéreas possibilitam essa escolha online, no momento da compra ou do check-in. Quando isso não é possível, um email ou um telefona para o serviço de atendimento ao cliente, costuma funcionar.

Deixe uma resposta